Gadgets & Apps

Querências que o Instagram me traz…

…e uma breve reflexão sobre cada uma.Na minha conta tem basicamente literatura/concurseiros/estudantes. E as fotos são lindas, e fofas (é pra isso que seguimos as pessoas, right?) e inspiradoras. Mas me fazem ter DESEJOS PROFUNDOS por coisas que eu não devia comprar/ter/fazer.

quero

Então entrar no instagram é um exercício constante de NÃO PRECISO:

– Eu não preciso de um lindo estojo kipling, enorme, que cabe um moonte de coisas dentro – inclusive o conjunto de 19 stabilos que comprei no início do ano – , lindo, e que custa os olhos da minha cara, e que foi, obviamente, um dos não-preciso do instagram que eu não resisti e COMPREI – para ficar em casa, porque estou sem estudar objetivamente e não preciso de um monte de canetas coloridas

– Eu não preciso de uma capa protetora para livros – primeiro porque eu leio um monte de livros simultaneamente, e não iria ficar trocando a capinha toda vez que decidisse ler esse e não aquele; segundo porque é lindo, é fofo, mas é SUPÉRFLUO, e eu estou com um conjunto de contas batendo muito/mês e não to podendo

– Eu não preciso de todos os livros da Darkside Books, por mais maravilhosas que sejam as edições, e por mais que eu queira ler as histórias que eles contam – tô louca pelo Fábrica de Vespas! – porque 1. apesar de eu gostar muito dos livros, das capas duras maravilhosas e de toda a edição, eu tenho evitado ao máximo guardar livros – então eu compro, paquero a edição linda, leio, e dou pros outros. Um puta gasto de dinheiro para nem ficar com o livro! 2.porque a Darkside é maravilinda, mas não é a única editora, eu quero ler outra penca de livros que não são dela.

– Aproveitando o ensejo, eu NÃO preciso guardar todos os livros que já li. Eu não preciso do apego irracional aos livros, em especial os que eu não lerei novamente, ou os fáceis de encontrar em alguma biblioteca caso bata aquela vontade irresistível de ler aquela história de novo. Eu não preciso ter estantes e estantes para mostrar pros outros o que eu já li. E até os que eu guardo com maior apego, estou me treinando para desapegar. “Ah, mas porque ser tão radical??” Questão de princípios, digo eu. TER coisas te faz se preocupar em como limpá-las, mantê-las, guardá-las, transportá-las. Te dá medo de perdê-las, te torna mesquinho com elas (não empresto, alguém pode riscar, alguém pode perder!!). E eu não preciso de mais esse tipo de preocupação na minha cabeça, já tenho muitas.

– Eu não preciso aproveitar todas as promoções da Amazon, da Submarino e da Americanas, e menos ainda preciso me sentir mal de não ter comprado algum livro que eu “queria muito” – queria muito, mas que ia entrar em uma pilha do tamanho do céu para ler depois; tem livro que comprei há 5 anos que não li ainda. E eu sempre vejo as pessoas fazendo promessas de “não comprar mais livros até acabar de ler os que tenho em casa!” e falhando miseravelmente (não estou me excluindo disso não, viu?). O impulso não é literário, é consumista. É o prazer da dopamina de quando compramos alguma coisa, recebemos pelo correio, desembrulhamos, cheiramos o livro novinho. É claro que vale pelos livros também, mas né? Pra que se enganar?

– Eu não preciso ter uma estante LINDA e chega de Funkos Pop, que me enchem de inveja, mas só servem para juntar poeira e fazer meu dinheiro escoar pelo ralo. É ÓBVIO que ter uma casa enfeitadinha me agrada, mas esse nem é o tipo de decoração que costumo gostar/usar. Eu só acho eles muito fofos, mas eu não gastaria – nem aos poucos – para ter uma coleção disso. Fora que é coleção MESMO, né? Eu não conheço quase ninguém que só tenha UM e tenha ficado satisfeito com só esse. Minhas prioridades financeiras me dizem que R$70 (em geral, e no mínimo) em um bonequinho não é a forma mais racional de gastar meu suado dinheiro.

– Eu NÃO PRECISO ler o que tá todo mundo lendo, eu não preciso me deixar pegar pelas bolas pelas capas que vejo em todos os lugares.

– Eu não preciso usar 55 hastags nas minhas fotos, na verdade, eu me recuso. Tem umas que não tem NADA haver com a foto, mas as pessoas usam para serem mais facilmente localizadas. Eu acho OK, cada um com seu objetivo… mas não é o meu, então eu não vou fazer isso!

– Eu não preciso me sentir mal porque não consigo tirar fotos maravilhosas, com montagens de livros lindas, em fundos de folhas, fundos brancos, com meias e edredons fofinhos. Até porque, isso não faz parte da minha realidade, e por mais que eu fique levemente felizinha em ver fotos tão bonitas, eu não tenho força de vontade/imaginação para isso. Eu geralmente tiro fotos dos livros exatamente onde eu tô, sem preparação prévia ou arrumação espacial – e canso só de pensar em fazer de outra forma.

Tem mais alguns pensamentos que o IG me traz. Ele tá começando a me atrapalhar um pouco de novo, então vou ter que pensar na melhor forma de lidar com ele.

AHHHH, antes de fazer comentários engraçadinhos, lembre-se que nada do que tá aqui é uma critica ao SEU JEITO de fazer as coisas. A maioria do que eu escrevi, na realidade, são os lembretes do porque eu NÃO DEVO me sentir mal por não fazer/ter/me comportar das formas acima descritas. Porque sim, eu quero porque quero um estojo kipling, todos os livros da Darkside e tirar fotos lindas. Mas não é assim que funciona 😉

PS. falei sobre a loucura, especificamente de comprar livros, aqui ó e aqui também 😀

Anúncios

5 pensamentos sobre “Querências que o Instagram me traz…

  1. Meldels! Vi minha vida ai nesse post, alguns mais ou menos, mas ahn! Repito sempre: Eu não preciso de uma capa protetora para livros Eu não preciso de uma capa protetora para livros Eu não preciso de uma capa protetora para livros!! hahahah mas tão lindas *-*

    Sobre a DarkSide: porque fazer livros tão lindos?! =( fico querendo todos sem nem mesmo gostar da história. rs

    Estou tentando desapegar também, troquei vários, doei muitos. Ficamos com muitos ainda mais aos poucos estou me livrando dessa obsessão por livros e estantes cheias. Parei de comprar, esse ano só comprei livros da nossa área e fiz uma comprinha na Feira da UFPR (meu niver, eu mereço – aquela velha história rs).

    Beijos ♥

    Curtir

    • Ana, a lista dos meus “eu não preciso” é tão grande, que é mais fácil eu tentar focar no pouco que eu “preciso mesmo” 😛 !!
      Eu adoro ver as estantes cheias, a sua é tão linda! Mas depois de mudar seis vezes com o marido, de estado, inclusive, eu percebi que não é prático, não é útil, e encaixotando a livrarada, percebi que a enorme maioria eu nunca mais vou ler mesmo…

      Ps. Quando é seu niver? *_*

      Bjus!

      Curtido por 1 pessoa

  2. Mais uma vez você descreve meus sentimentos… costumava seguir concurseiros, mas tudo o que me ofereciam eram pilhas de post it e stabilos.. apesar de fotos caprichadas e a imagem realmente inspirar, nada daquilo faz parte da minha realidade. Deixei de seguir cada um deles. Não costumo comprar nada pra juntar poeira. Leio e doo. Só os livros da Darkside.. esses são impossíveis de desfazer, mas só os comprei porque realmente tava com poucas opções de leitura aqui em casa.

    Curtir

    • Eu me toquei nisso em relação os concurseiros também, Itanna; via aquelas GAVETAS cheias de post-its e pensava “sem or, nem em uma vida estudando alguém precisa mesmo de tudo isso” e, pensamento 2, “onde eu teria dinheiro pra isso??” A nossa realidade é feita de papermates coloridas e blocos adesivos genéricos, e está muito bom também 🙂
      Quanto aos livros… ah, os livros. Para não ter esse problema com a Darkside, eu nem tenho comprado os deles mais 😛

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s